criancas-no-tablet
Pediatria

Vamos brincar na rua?

By

Nos últimos 30 anos temos participado de uma revolução tecnológica e digital, que é uma certeza irreversível, apresentando outros padrões de comportamento. Existem muitos aspectos positivos , pois hoje podemos acessar pessoas, assuntos interterimento em poucos segundos, a isto soma-se que jogar ou participar salurtamente de algum evento digital pode melhorar a atenção e os parametros cognitivos, existe ainda uma gama de vantagens, mas não vou aqui me deter nestas. Tentarei descrever aqui os pontos mais fortes destas desvantagens:

PROBLEMAS DE DESENVOLVIMENTO CEREBRAL

Do 0 aos 3 anos , triplica o tamanho do cérebro, o excesso de estímulo nesta fase cerebral pode levar a déficit de atenção, atrasos cognitivos, disturbios de aprendizado, aumento da impulsividade e diminuição da habilidade da regulação das próprias emoções. Em brincadeira lúdica o interesse da criança vai até onde termina a possibilidade e ação do brinquedo ou da brincadeira, nos eletrônicos não, pois eles já vem programados para um novo interesse ou várias possibilidades antes do término do que está em curso, por isso é tão dificil “desligar”. Calcula -se que a cada hora no celular, em média diminue em 12 minutos de sono.

OBESIDADE

A presença da TV no quarto ou qualquer outro eletrônico, aumenta em 30% o risco, pois as crianças tendem a comer menos frutas e alimentos naturais e dormir menos e aumentam o consumo de doces e carboidratos prontos.

DISTÚRBIO DO SONO

Durante a fase de crescimento e desenvolvimento cerebral o sono é essencial para a manutenção saudável das conexões neuro hormonais.

EMISSÃO DE RADIAÇÃO

As crianças são mais sensíveis aos agentes radiativos que os adultos. Já está descrito a Sindrome do olho do computador caracterizado por dores de cabeça, secura, irritação, diplopia, desconforto ocular, visão borrada.

SAÚDE MENTAL E COMPORTAMENTAL

O uso excessivo de tecnologia é um dos fatores responsáveis pelas incidências crescente de ansiedade infantil, depressão,transtorno do apego, autismo, transtorno bipolar, psicose e comportamento infantil problemático.

Temos que tentar equilíbrio neste assunto, mas a suspensão do uso de eletrônicos por criança inferior aos 3 anos de idade se faz urgentemente necessária – alerta da Sociedade Brasileira de Pediatria.

“Um estudo recente da UNICAMP com 21 meninos e meninas de uma escola particular apenas uma criança de 12 anos tinha construído as noções lógico elementares, que seriam as noções matemáticas e a noção de espaço”

Na Nova Zelândia um estudo feito por 21 anos , constatou que o uso da tv afetou cognitivamente a formação no 3 grau de quem tinha o QI médio.

Estudos pelo mundo inteiro tem mostrado que criança que não brincam podem ter dificuldades futuras imensas! Quando a criança brinca faz uso das operações infralógicas, que garante noções operatória de espaço, tempo e causalidade. Um exemplo é a brincadeira de entrar de baixo da cadeira. A criança precisa viver a experiência para saber se ela cabe naquele espaço ou não.

Maurício Rodrigues Boeck

  • Pediatra – membro sociedade brasileira pediatria.
  • Atendimento UNIMED Ubatuba
  • Atendimento Prefeitura Municipal de Paraty

Veja Também...